sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Saudade de Escrever




  Hoje eu senti  falta de escrever como nunca tinha sentido antes. A sensação era a de que o mundo estava sem cor. Meus dedos ansiavam por um lápis ou um computador. Por sorte lembrei que aqui tinha um e que esta maquina fria poderia ajudar- me a descarregar minhas emoções.

  Não é engraçado leitor? Como uma maquina, (mais fria do que o gelo, sem vida, um cérebro artificial criado pelo ser humano) é capaz de guardar tantos sentimentos e pensamentos?  Coisas quentes, que nos fazem rir, chorar, gritar e por ai vai.
É realmente engraçado como tudo acontece. Antigamente quando alguém queria falar com outra pessoa ia para a casa dela ou ligava de um celular gigantesco. Hoje só precisamos acessar a internet e conectar ao facebook, skype ou twitter entre outros mais. Antigamente se queríamos escrever um desabafo procurávamos papel e caneta para resolver o problema. Hoje temos a opção do computador que nos priva do tormento de ter de tentar entender o que a nossa letra terrível tem a dizer. Não que isso nos impeça de escrever em qualquer outro lugar ou de ainda sermos fascinados pela "página em branco".  Inclusive recentemente comprei um caderno que literalmente me enfeitiçou! Ele é simplesmente uma obra prima! As folhas amareladas em branco, o cheirinho de caderno novo, a capa de couro...
Enfim, você não quer saber sobre o meu caderno e peço desculpas por me distanciar do assunto principal. É que as vezes sou muito dispersa. Minto. Sou sempre dispersa, mudo de assunto como quem muda de roupa! Mas é que a sempre tanto sobre o que escrever, sobre o que falar... Fica difícil manter o foco. De fato uma amiga minha dizia que eu tenho um sério problema de tentar abordar o mundo em uma página (ela não disse necessariamente com essas palavras). Enfim...

  Aonde eu estava?
Viu já perdi o fio da meada de novo. Hum deixe-me ler o que escrevi anteriormente. Computador, blá,blá,blá, páginas em branco, blá,blá,blá, mundo e mais blá, blá, blá. Será que se eu tirasse metade dos blá,blá,blás o texto ficaria melhor? Não, acho que não. Ficaria sem graça. O blá,blá,blá, realmente possui um encanto singular. Algo só dele. Se tirássemos o blá, blá,blá do mundo, por exemplo, ele seria sem cor. Sem vida. Gosto dos porquês, dos floreados, dos exageros, das metáforas! Elas criam vida fazem o universso ser interessante jovial (pareço uma senhora escrevendo. Talvez um lado meu de fato seja uma).

   Mas porém, contudo e todavia se tirássemos o blá,blá,blá , o mundo seria mais objetivo. As coisas seriam mais rápidas! Por exemplo: Aqueles documentos do governo, ou aquelas cartas extensas oficiais vindas de algum setor da política. Quem entende aquilo? É tanto blá,blá,blá que da dor de cabeça.
  Tenho certeza que se metade de toda aquela enrolação fosse reduzida o mundo seria mais claro.
Então o que fazer? Acho que tudo tem que ter um certo equilíbrio. Sim! Essa é a resposta óbvia. O certo é escolhe a hora certa de usar um blá,blá,blá.
Acho que numa reflexão louca como a minha ele é bem vindo. Mas por favor poupem-nos de ter que ler um livro extremamente detalhado. É chato e enfadonho. E por favor, em documentos oficias privem-nos do sofrimento de ter que chamar um advogado só para entender o que está escrito em uma carta extensa!
Então ficamos assim: O blá,blá,blá é bem vindo em apenas algumas ocasiões (tais como essa) e em outras deve ser banido. Acho que dessa forma todos nós ficamos felizes.

 Que horas são?
Hora de passear com minha cadela. Também já estou cansada mesmo e tenho certeza que você  já deve estar com os olhos ardendo de ter passado tanto tempo lendo esse texto. Não sei se lhe fui útil em alguma coisa, mas gostaria de agradecer a sua maravilhosa companhia. Eu realmente precisava escrever, e isso aqui foi muito revigorante!
Te vejo mais tarde?
Então até logo, pois odeio a palavra "adeus". Ela é deprimente.
E tenha uma ótima noite.

Bjs
Eu

P.s: A imagem não ficou muito conivente com o texto, já que eu digitei e não escrevi em um caderno. Hum . Bom considere como liberdade poética.

Um comentário:

iNSaNa 2.2 disse...

Blah Blah Blah Blah Blah Blah que sua vida seja cheia dessas poesias! Quando convir...

Abs,